Arte Colunistas Literatura Marcelo Pirajá Sguassábia

Novelos e Novelas

 

Ninguém pode afirmar com absoluta certeza, mas tudo leva a crer que o termo “novela” vem de “novelo”. O fato de ser algo que vai se desenrolando aos poucos explica esse bem aplicado batismo.

Mas novela não só vem de novelo. Ela vende novelo, com o perdão do trocadilho. Se por um lado vemos a TV perdendo audiência dia a dia para a internet, por outro é crescente a fatia populacional da chamada terceira idade. Tem mais vovós crochetando e tricotando em frente à boa e velha televisão do que sonha a vã filosofia do Mark Zuckerberg. Por mais que as vovozinhas de hoje saibam também manejar com destreza seus perfis no facebook e no instagram.

Essa nova realidade inspirou um plano ambicioso e detalhadamente articulado, envolvendo o núcleo de projetos especiais da emissora líder e o maior nome da nossa indústria têxtil. O patrocinador da novela é o fabricante do novelo. Além de milhares de inserções de merchandising no enredo televisivo, a marca fica licenciada a utilizar nomes, fotos de atores, sinopses e o que mais julgar conveniente em seus produtos. Incluindo a embalagem – no caso, aquela tira de papel que abraça a lã.

Ao final de cada novelo, a vovó encontrará uma dica sobre o fim da novela, agregada a um cupom de desconto para a compra do próximo suprimento de lã. Um círculo perpétuo de consumo. Novelo após novelo, novela após novela. A trama do folhetim em absoluta sintonia com a trama do tricô e do crochê.

No quesito interatividade, há um rol imenso de ideias. Sendo o público idoso cada vez mais representativo no universo da audiência, os velhinhos e velhinhas também seriam os galãs e vilões da novela. Isso criaria uma maior identificação do telespectador com o elenco, ampliando exponencialmente o Ibope. A primeira ação interativa já está aprovada, e consiste em um concurso de figurinos. O público cria e confecciona roupas para os atores, necessariamente produzidas com a lã do patrocinador. As melhores ou mais originais irão vestir os personagens, e os nomes dos figurinistas domésticos constarão nos créditos em destaque, lado a lado com os nomes dos astros e estrelas. A anciã-estilista que mais se destacar ganha ainda uma aparição especial no último capítulo.

Uma grande ação de cross marketing irá amarrar comercialmente o processo, até mesmo junto às velhinhas não adeptas do tricô e do crochê. Em parceria com uma rede de lojas de roupas, as peças de vestuário feitas com a lã e que aparecem na trama serão expostas com destaque nos pontos de venda. Em cada cabide, um apelo chamando para assistir à novela; e na novela, em contrapartida, cenas gravadas dentro do magazine. Uma perfeita e harmônica engrenagem promocional, onde todos os envolvidos ganham. A seguir, cenas dos próximos capítulos.
© Direitos Reservados

Post Comment