Arte Entrevistas Literatura Teresa Bendini

Entrevista com Maria Helena Ferreira Penteado

Entrevista Amigos da Biblioteca

Um verdadeiro MUTIRÃO está transformando o LIVRO numa causa. Talvez a palavra mais certa seja MISSÃO. Um projeto missionário que evidencia o LIVRO, através da formação de um coletivo articulador e empenhado que abrange por hora, o Polígono no sul mineiro.
Parece que entre os mineiros ocorre uma “luta” no sentido de promover a LEITURA e a LITERATURA mas de forma organizada e monitorada.
Trata-se de uma iniciativa inédita que precisamos conhecer e divulgar.
Foi com espanto que ouvi detalhes sobre “O COLETIVO POLÍGONO SUL MINEIRO DO LIVRO”, já em pleno andamento.
Maria Helena Ferreira Penteado monitorou a mesa de debates que tratava do tema AMIGOS DA BIBLIOTECA, durante o Festival Literário ocorrido em CRISTINA (MG) em abril último.
Foi ela que nos concedeu essa Entrevista.

– Fale um pouco de você e de seu papel no Coletivo que se desenvolve em sua região desde 2000. É possível transformar o LIVRO numa causa dando-lhe um viés sócio transformador?

Sou Muzambinhense, criada em Campinas-SP e morando em Guaxupé há 12 anos. De coração totalmente sul-mineiro, sou uma leitora voraz e, apesar da formação em Administração de Empresas, trago a certeza de que a leitura pode ser transformadora na medida em que desenvolve o senso crítico do leitor, abrindo horizontes e fazendo-o entender o mundo com maior clareza.
Sempre envolvida em causas culturais, faço parte do GRABI-Grupo de Amigos da Biblioteca de Guaxupé e tive contato com o Coletivo Polígono SUL-Mineiro do Livro ao ser uma das coordenadoras da 2a. FLIG-Feira do Livro de Guaxupé, em 2015.
Sentindo uma identificação imediata com os objetivos do Polígono quanto a valorização do livro, da leitura e da biblioteca, me engajei nos seus projetos para o desenvolvimento de leitores, na coordenação da Sociedade de Amigos da Biblioteca – SAB-CAMP-Guaxupé. O Coletivo Polígono Sul-Mineiro do Livro abrange 200 cidades do Sul de Minas, sendo quarenta e uma cidades mineiras nessa região.

– O que é o Coletivo POLÍGONO SUL-MINEIRO DO LIVRO?

O Coletivo Polígono Sul-Mineiro do Livro é um coletivo cultural contemporâneo voltado para o Livro, a Leitura, a Literatura, e a Biblioteca, com foco no fomento dos 4 (quatro) eixos do Plano Nacional do Livro, Leitura, Literatura, Biblioteca (www.cultura.gov.br/pnll) em nível local/regional : 1. Democratização do acesso ao livro; 2. Formação de mediadores para o incentivo à leitura; 3. Valorização institucional da leitura e o incremento de seu valor simbólico; 4. Desenvolvimento da economia do livro como estímulo à produção intelectual e ao desenvolvimento da economia nacional.

O Coletivo Sul Mineiro do Livro , desde 2000, no âmbito da região sul-mineira empreende esforços, por meio de ações, projetos, programas para a democratização, valorização, incremento quantitativo, qualitativo do livro, leitura, literatura, biblioteca junto a leitores, neo leitores e não leitores assegurando a leitura como um direito social básico, pressuposto para o pleno exercício da cidadania. O Sul de Minas conta com indivíduos e entidades presentes em quase todas as suas 200 (duzentas) cidades, que trabalham em prol da causa do – Livro, Leitura, Literatura, Bibliotecas – onde vários grupos reunidos formam os 12 vértices do Polígono Sul Mineiro do Livro:

1- ESCRITORES – escritores, prosadores, poetas, tradutores, revisores, jornalistas literários, resenhistas, academias de letras, associações de escritores, clubes literários, coletivos de autores, e afins;

2- CLIG – contadores de histórias/estórias/causos, mediadores de leitura, agentes de leitura, declamadores, ‘performers’, clubes/rodas/círculos de leitura (CLE’s);

3- SAB’s – bibliotecários, auxiliares de bibliotecas e amigos de bibliotecas;

4- PROFESSORES – professores da educação básica;

5- IEF’s – professores universitários e pesquisadores, teóricos, críticos, historiadores da literatura;

6- EDITORAS/LIVRARIAS – agentes literários, editores, livreiros, distribuidores, sebistas;

7- PAIXÃO – bibliófilos e colecionadores;

8- ENCADERNAÇÃO -, conservadores e restauradores;

9- IMAGEM – ilustradores, artistas plásticos-visuais-audiovisuais, digitais (livro-objeto, livro de artista), artesãos (livros artesanais);

10- PATRIMÔNIO CULTURAL – gestores, produtores, profissionais da área cultural voltados para o livro, leitura, literatura, biblioteca – com ênfase para o livro como patrimônio cultural, como política pública;

11- AÇÃO CULTURAL – gestores, produtores, profissionais da área de promoção social-voltados para o livro, leitura, literatura, biblioteca – no enfoque da leitura como ação sociotransformadora;

12- TURÍSTICO – gestores, produtores, profissionais da área de turismo (eventos)-voltados para o livro, leitura, literatura, biblioteca –com destaque para o livro dentro da proposta da economia cr

– Achei o projeto ambicioso e difícil de realizar mas parece que vocês estão conseguindo adesões e estão empenhados em torná-lo viável. Como ele está estruturado e de que forma se sustenta?

Como sempre dizemos: É um trabalho de formiguinha. Passo à passo, com a realização e/ou participação nos eventos literários, vamos conseguindo adesões e formando Sociedades de Amigos de Biblioteca, Clubes de Leitura, Academias de Letras, etc., em cada cidade. O Coletivo Polígono conecta as pessoas virtualmente e, constatando os mesmos objetivos, elas passam a interagir até mesmo sem se conhecerem pessoalmente. O Coletivo dispõe de projetos interessantíssimos na área de desenvolvimento literário tanto novos como resgatando projetos já vivenciados há cem anos na região.

A Mineiridade tem produzido uma palavra temperada que nos faz avançar, e porque não dizer, elevar nosso gosto literário. É sempre “elevadíssimo” o nível daquilo que se produz entre montanhas. Esse movimento pretende demarcar a contribuição mineira no que diz respeito a LITERATURA no país?Á partir dele cria-se um nicho onde as obras de autores mineiros possam ser evidenciadas?

Procuramos sempre evidenciar em nossos eventos os autores sul-mineiros e aqueles que passaram ou tiveram alguma relação com Minas Gerais. Não nos descuidamos porém de valorizar os clássicos da literatura, tanto nacionais quanto mundiais. Caso do projeto
CALENDAUTOR/CALENDAOBRA onde são lidos o autor e/ou a obra em suas efemérides.

– Quais as ações que foram bem sucedidas e que alavancaram o projeto?
Podemos dizer que ele é transdisciplinar?

O projeto é totalmente transdisciplinar à medida que procura expandir o conhecimento e estimular uma nova compreensão da realidade através de ações fora das disciplinas corriqueiras.
As ações são alavancadas à partir de reuniões e eventos realizados, como o SABERTURAMIGOS – Abertura dos Trabalhos dos Amigos da Biblioteca, evento que marca o início dos trabalhos no ano e para o qual são convidados os possíveis agentes de desenvolvimento literário, tanto para participação ativa no evento quanto como expectador.
Na região de Guaxupé, já foram criadas e/ou entraram em rede duas Sociedades de Amigos da Biblioteca, dois Clubes de Leitura, uma Academia Infanto Juvenil de Letras foi criada e um Academia de Letras, já existente, entrou em rede com o Polígono, tendo revitalizadas as suas atividades. Em Guaxupé está em processo de criação a Academia Guaxupeana Estudantil de Letras, onde já foram selecionados 40 estudantes das escolas estaduais e particulares da cidade, cujos membros serão empossados em junho/2016.

– O que seria o vértice AMIGOS DA BIBLIOTECA?

A SAB-Sociedade de Amigos da Biblioteca é uma associação apartidária e sem fins lucrativos, constituída por membros da comunidade que decidem, voluntariamente, unir seus esforços na missão de garantir o acesso à informação e ao conhecimento como forma de impulsionar o desenvolvimento cultural da coletividade. Uma SAB pode ser formal ou informal, isto é, sem constituição jurídica e pode ser identificada tanto como SAB como GRABI-Grupo de Amigos da Biblioteca ou AMIBI-Amigos da biblioteca. Entre seus objetivos estão:

– a captação de recursos para melhor adequar os espaços e serviços da Biblioteca Municipal;

– a realização de atividade que contribuam para o aprimoramento patrimonial, técnico e cultural da Biblioteca;

– sustentar e apoiar uma política de formação e desenvolvimento do acervo da Biblioteca, com vistas à sua recuperação e atualização;

– contribuir para a qualidade técnica da Biblioteca, bem como da estrutura física necessária para tal;

– incentivar projetos de acesso à formação de biblioteca itinerante e de extensão nas comunidades distantes do centro da cidade, bem como a formação de bibliotecas em outros ambientes como associações comunitárias, fábricas, praças, parques, postos de saúde, creches, orfanatos, asilos, presídios, pontos de ônibus etc.

– estimular o gosto pela leitura, pela escrita e a difusão da literatura, além de estimular a formação de clubes de leitura, programas de leitura, mediação de leitura, rodas de leitura, círculos de leitura, tertúlias literárias, saraus poéticos, contação de histórias, oficinas literárias e artísticas, concursos literários, exposições artísticas, apresentações culturais e visitas programadas, bem como a promoção do livro e da leitura transitando para outras áreas do conhecimento como artes plásticas, visuais, audiovisuais, cinema, fotografia, teatro, música, dança, matemática, história, geografia, ciências, meio ambiente etc. e outras formas que contribuem para a formação de leitores críticos e criativos;

– obter de pessoas físicas ou jurídicas, públicas ou privadas, subvenções ou doações em dinheiro ou em obras destinadas a consecução dos objetivos da Sociedade de Amigos da Biblioteca.

A região Sul do estado de Minas Gerais conta com uma rede de Sociedades de Amigos da Biblioteca (SABs), a SAB-CAMP-SUL, em rede com o Polígono Sul-Mineiro do Livro. Destaca-se que a menção sobre Campanha no nome da rede se dá pelo fato dela ser considerada a cidade-mãe do Sul de Minas, ser uma grande referência cultural e aí ter sido instalada a 1ª biblioteca de Minas.

Em função da grande extensão do Sul de Minas, a SAB-CAMP-SUL se estrutura em três áreas: Campanha (SAB-CAMP-CAMPANHA), Pouso Alegre (SAB-CAMP-POUSO ALEGRE), Guaxupé (SAB-CAMP-GUAXUPÉ).

Para a formação de uma SAB – Sociedade ou Grupo de Amigos da Biblioteca, a primeira providência a ser tomada será detectar, entre os membros da comunidade, aqueles que se interessam e sentem a importância da leitura e então, promover reuniões onde serão discutidas as funções da biblioteca junto à comunidade, refletindo sobre o valor da mesma para os profissionais de todos os níveis, para o cidadão comum, donas de casa, operários, professores, profissionais liberais, crianças, jovens e adultos. É fundamental que seja sentida a importância da leitura, mas, antes de mais nada, que seja despertado o prazer de ler.

Maria Helena MG2

– Assisti com prazer uma explanação sobre a obra: “Grande Sertão Veredas” de Guimarães Rosa, palestra brilhantemente oferecida por uma médica envolvida no projeto. ( Mônica Magalhães do Vale)..
Qual é o papel da Mônica e no que consiste sua participação dentro do COLETIVO?

Na abertura dos trabalhos dos amigos da biblioteca – SABERTURAMIGOS-2016, Mônica Magalhães do Vale foi contagiada pelas atividades apresentadas, demostrando grande interesse em fazer parte dos projetos em prol da leitura. Sendo convidada a formar um Clube de Leitura – CLE em Guaxupé, optou pelo clássico Guimarães Rosa, com Grandes Sertões-Veredas, onde está se empenhando, demonstrando grande habilidade nas análises e apresentações do livro.

– E sobre o Ricardo Negreiros?

Ricardo Negreiros é aluno de Ciência da Computação do Instituto Federal de Muzambinho, participa do vértice 1 como blogueiro literário e resenhista e no vértice 2 como mediador de leitura e coordenador do CLE do IF Muzambinho. Participa também da equipe de coordenação geral de comunicação. Na FLICRISTINA fez com maestria a apresentação geral do Polígono, da SAB’s e dos CLE’s.

– Como podemos ajudar e ser parceiros nessa ação extremamente emergencial?
Vocês dariam assistência para aqueles que quisessem aprender com o projeto e transportá-lo para outras regiões?

A nossa missão fundamental é a democratização do acesso ao livro. Quanto mais difundidos forem os projetos e quanto mais pessoas os colocarem em prática, mais próximo estaremos de atingir os objetivos. Já está sendo criada uma web rádio, onde, além
do facebook do Polígono Sul-Mineiro do Livro e da SAB CAMP-SUL, vai divulgar os projetos e as práticas do Coletivo. A troca de informações e experiências são de extrema importância e esperamos, à partir de agora, que nossos contatos possam gerar bons frutos. Reunir os Contadores de Histórias da Mantiqueira Paulista e Mantiqueira Mineira poderia ser o primeiro passo.

– Queria que falasse sobre a ação promovida pelo coletivo que envolveu o LIVRO do autor francês Antoine de Saint-Exupéry, O Pequeno Príncipe. Fiquei extasiada com essa ação.

Aconteceu na SABERTURAMIGOS-2016, evento anual realizado pela SAB com participação de Academias de Letras, Clubes de Leitura e outras entidades da cidade e região com o propósito de reunir e estimular a participação de pessoas interessadas. Em 2016, foi escolhido o livro “O Pequeno Príncipe” de Antoine de Saint-Exupéry. A escolha se deu por ser uma obra que trata da amizade, por ter o autor passado pelo Brasil em suas viagens, e por ser Dom Marcos Barbosa, seu primeiro tradutor, um sul-mineiro da cidade de Cristina.
Na ocasião, primeiramente apresentamos o Polígono Sul-Mineiro do Livro e a SAB-CAMP em rede. Foram apresentados os trabalhos realizados pelo GRABI-Guaxupé e o planejamento para o ano em curso, seguidos de uma homenagem à patrona da Biblioteca Municipal de Guaxupé, Prof.Iracema Elias, com sua vida e seus feitos sendo exaltados por parentes e amigos.
A obra “O Pequeno Príncipe” foi apresentada em suas mais variadas vertentes: Biobibliografia do autor e do primeiro tradutor; A obra situada no tempo e no espaço; Sua passagem pelo Brasil e E.U.A.; O repertório imagético e artístico; Os aspectos pitorescos do autor e da sua obra; Os 70 anos da obra, o domínio público e as novas edições; As frases marcantes apresentadas em Jogral e em Fantoches. Cada orador se dedicando a um tema, tornaram o evento extremamente interessante.

Post Comment