Editorial Elizabeth de Souza

Água de Mar  

 

Água me amedronta
Me rodopia
Me deixa tonta
Fico de longe a espiar
Com medo de desabar
Cair por terra
E chegar ao mar.

Água me arrepia
Fico sem ar
Some o sentido
E me ludibria
Fico então de longe a espiar
Com medo de desaguar
Cair em tentação
E lhe amar.

Água me deixa estática
Me paralisa
Me faz ficar
De longe a espiar
Com medo de enliquidar
Cair em transe
E lhe devorar
                      Sugar?
                      Beber?
                      Tomar?
                      Não sei!
Armar um cerco
Cair em armadilha
Num redemoinho, em ondas
E AMAR
E A – MAR
DEMAIS.

Ademais
Você é água
E eu tenho sede
E eu tenho medo
De água de mar.

Elizabeth de Souza

Post Comment