E era a palavra. A que faltava. Não a que se esperava. Previsível. Normal. A de sempre. Nem a inventada…