Arte Literatura Poesia Ricola de Paula

Tarjas oportunas

Imobilizado por vezes no tabuleiro
nunca imobilizei o adversário.
O raciocínio rápido aliado a sorte
o tempo exato, o senhor absoluto
menestrel da próxima jogada.

(Nem Cruz nem Prego)

Nem proscritos, nem benditos
Na paz com os loucos e renegados
Nas graças do santo bispo
O joelho ralado de tanto futebol

(Xeque-Mate)

Torre nenhuma resiste
Apego .. calabouços ..
tempestades.
Como manter intacta
a rainha na torre.?
Como esconder o poço dos desejos?
Como explicar a química dos corpos?
A energia vital e o abismo mental?

(Velhos tempos)

Lanofix, Lanolina.

(Esse fim de mundo)

Nosso pavio curto
O tempo curto

desencontro
desconforto

A contração
do poema no útero.

A palavra gesta.

(Sobre mim)

O amor gasto, brinquei
nas barrancas do rio amarelo.
Inesquecíveis jornadas.
Só ou com os camaradas.
A turfa, os coleiros, as garças.
Mariscar nas valetas da várzea.
Vôos pelo planalto da Vila industrial
descoberta de biquinhas e vertentes.
Passar por debaixo da linha do trem.
Lavar as mãos sujas
do saibro das encostas.

(Entre o céu e a terra)

Sei que por hora
Tento ser alguém
que já não fui

(Diz Maio)

Vôo lépido.
Planejo ter um papo com andorinhas
falarei sobre o fim de tudo
das cercas, dos muros.
bandeiras, desmatamento
manchas de óleo, fome
e ilhas de lixo que permeiam
meu ocêamo!. Percebe.

(Curioso)
O amor é abstrato
Extrato de jabutiacaba.

Ricola de Paula

Post Comment