Quando espelhavam-me de chinelos E de calças rotas e sujas Tratavam-me de Rei,          Mas, hoje que estou de…

Vou-me pelas ruas De estômago vazio e nua Todo triste e amarrotado Faminto e sedento Colher os restos de ossos…

Seus lábios negros laurinha São que nem daquelas velhas, Estremecidas vadias São iguais as da minha virgem Maria Tão ingénuas,…

Já dormiste mais que uma rocha. Algumas sementes murcham E a terra as usara como alimento E como estrume para…

Sou uma peugada de papel Despedaçado em pedaços de um poema Sobre o corpo glorificado numa obra Em versos de…

O latinar das suas lágrimas Vagueando sobre o insolente Corpo de escrava. Enxergo-te a aparvalhar no calar-se Da esteira, os…

Teu corpo de escrava, Mesmo de encarnado enxergo, Mesmo tão fingido que è… Seu olhar de menosprezo, Mesmo distante vê.…

  Teus olhos são túmulos sem esperanças nas guerras. Teus olhos são únicos culpados, os mais belos e caricatos Que…

Ó minha África misteriosa, Meu amparo de encanto, Minha mãe Irrigada de marcas da escravidão! Eis aqui seu filho Que…

Somos escravos, sim. Escravos da África, da Ásia e da Europa, Que bebemos aos corvos de sangue Miscigenado, Que escorre…